Quer obter bons resultados? Então, invista no Planejamento Estratégico!

Isabella Villar

Isabella Villar

Graduanda em Marketing na Fatec Sebrae, é fascinada pela versatilidade da área. Faz parte do time de Inbound Marketing da Hubify e atua como Revisora de Conteúdo.

5 minutos de leitura

Fazer um negócio crescer significa tomar muitas decisões sobre a maneira como você deseja expandir suas operações. A criação de um planejamento estratégico é uma peça-chave desse crescimento. Isso te ajudará a preparar uma visão realista para o futuro do seu negócio e, maximizar o potencial do seu negócio.

Porém, ele não deve ser confundido com um plano de negócios, pois esse trata-se do estabelecimento de metas de curto ou médio prazo, além da definição de etapas necessárias para alcançá-las. Um plano estratégico é normalmente focado nas metas de médio a longo prazo de uma empresa, e explica as estratégias básicas para alcançá-las.

Preparado (a) para alavancar os resultados do seu negócio? Então, leia este post até o final!

O que é o Planejamento Estratégico?

O planejamento estratégico é um processo para desenvolver a direção de uma organização. Além disso, ele também articula os objetivos e ações necessárias para alcançar essa visão de futuro, e descreve as métricas para medir o sucesso.

Dessa forma, ao ajudá-lo a se concentrar novamente em seu propósito fundamental, objetivos, desenvolvimento e oportunidades, o planejamento estratégico retorna ao “quadro geral”. Ou seja, é a base para os proprietários de negócios alcançarem sua visão, que eles comunicam às partes interessadas em um plano e programa de negócios estratégicos.

É comum confundir um plano estratégico com um plano de negócios, que é usado para iniciar um negócio, obter financiamento ou dirigir operações, com duração de, geralmente, um ano.

Por outro lado, um plano estratégico se trata do pensamento de alto nível e geralmente leva de 3 a 5 anos. Ele pode ser criado a qualquer momento e deve ser revisado regularmente. Os pontos-chave para revisar o plano incluem sempre que uma empresa inicia um novo empreendimento (como o lançamento de um novo produto), se a economia ou o cenário competitivo muda, ou quando novos regulamentos ou tendências afetam o ambiente de negócios.

Qual a importância do Planejamento Estratégico?

A princípio, ele foca em definir seus objetivos gerais para o seu negócio, além de desenvolver um plano para alcançá-los. Tudo isso envolve dar um passo atrás em suas operações diárias, perguntando para onde sua empresa está indo e quais devem ser suas prioridades.

Tomar a decisão de fazer um negócio crescer de forma ativa significa abraçar os riscos que vêm com o crescimento. Gastar tempo identificando onde você deseja levar seu negócio e como você chegará lá, deve ajudá-lo a reduzir e gerenciar esses riscos.

À medida que sua empresa se torna maior e mais complexa, a formulação da estratégia precisa se tornar mais sofisticada, tanto para sustentar o crescimento, quanto para ajudá-lo a reunir a liderança e os recursos necessários, para manter o desenvolvimento de sua empresa.

Para isso, você também precisará coletar e analisar uma gama mais ampla de informações sobre sua empresa, tanto sobre como ela opera internamente, quanto sobre como as condições estão se desenvolvendo em seus mercados atuais.

As etapas de um Planejamento Estratégico

1. Entenda seu negócio

Avalie onde sua empresa está hoje. Isso inclui a revisão das principais informações comerciais, declaração de missão e valores essenciais. Eles ainda refletem com o seu mindset?

As mudanças nas circunstâncias, na liderança ou no mercado podem exigir que você repense a essência de seu negócio, de vez em quando. Reserve um tempo para uma reflexão séria para chegar a algo verdadeiramente significativo. Você também pode solicitar a opinião de sua equipe, do conselho consultivo de proprietários de empresas.

Pergunte-se a si mesmo: qual é a versão mais idealista do seu negócio? Quais são seus objetivos mais ambiciosos? Qual é a maior visão do que sua empresa poderia ser?

2. Analise seus pontos fortes, pontos fracos e ameaças

Uma análise SWOT é uma ferramenta para avaliar criticamente os pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças de sua empresa. Ela pode fornecer uma visão sobre onde sua empresa deve concentrar seus esforços de marketing, dar-lhe uma melhor compreensão do seu setor e dos clientes, uma pista sobre as suas vantagens competitivas e um alerta sobre as ameaças potenciais ao seu crescimento.

Exemplos dos tipos de perguntas que você pode fazer durante o processo SWOT incluem:

  • O que fazemos bem?
  • O que nossos clientes identificam como nossos pontos fortes?
  • Quais tendências emergentes podemos capitalizar?
  • Quem são nossos concorrentes menosprezados?
  • Quais são as reclamações mais comuns que recebemos?
  • Existem tecnologias desatualizadas que usamos?
  • Quais obstáculos externos estão no caminho de nosso progresso?
  • O que nossos concorrentes estão fazendo de diferente?

E-book BI

PS: ainda vamos falar sobre sobre a análise SWOT, nos próximos parágrafos!

3. Defina objetivos e metas

Analise os objetivos específicos que o ajudarão a alcançar sua visão. Isso pode incluir processos como lançar um novo produto, tentar diferentes estratégias de marketing, realocar os recursos financeiros ou melhorar a cultura do funcionário. Além disso, determine as iniciativas específicas necessárias para atender às metas gerais.

Afinal, definir as metas só é eficaz quando você realmente pode cumpri-las, portanto, você também deve estabelecer como medirá o sucesso. Os principais indicadores de desempenho (KPIs) são as métricas específicas, que você rastreará para determinar o progresso em relação às metas. 

Os KPIs podem incluir itens como porcentagem de participação de mercado, custo de aquisição de clientes e tempo médio de resolução de ticket de suporte.

4. Coloque o plano em ação

Os objetivos são focados no futuro, então agora você precisa de etapas de ação de curto prazo. Ao contrário das metas, as tarefas devem levar apenas alguns dias ou semanas, para serem concluídas. 

Então, divida as tarefas nas menores etapas possíveis e continue se perguntando: “O que precisa acontecer antes de darmos o próximo passo?”

Por exemplo, uma meta de “atualizar equipamentos antigos” pode ser dividida em tarefas individuais como “fornecedores de pesquisa”, “marcar reuniões com representantes na próxima exposição” e “comprar equipamentos”.

Nesse sentido, vale a pena atribuir uma parte responsável a cada tarefa, estabeleça prazos para conclusão e crie responsabilidades.

Por último, estabeleça um cronograma para revisar seu plano estratégico (pelo menos uma vez por trimestre). Depois, a dica é acompanhar e analisar regularmente seu plano, para garantir que você permaneça no caminho certo, em rumo aos seus objetivos. Também faça perguntas difíceis durante essas análises, para evitar que o seu plano esteja desatualizado!

Os principais modelos estratégicos

SWOT

Uma análise SWOT envolve identificar um objetivo de um negócio ou projeto e, em seguida, identificar os fatores internos e externos que são favoráveis ​​e desfavoráveis, ​​para atingir esse objetivo.

Esses fatores são considerados usando quatro elementos:

  • Strengths (força)atributos do negócio que podem ajudar a atingir o objetivo;
  • Weaknesses (fraqueza) – atributos do negócio que poderiam ser obstáculos para alcançar o objetivo;
  • Opportunities (oportunidades) – fatores externos que podem ser úteis para alcançar o objetivo;
  • Threats (ameaças) – fatores externos que poderiam ser obstáculos para alcançar o objetivo.

STEEPLE

Existem outros modelos que você pode usar para avaliar sua posição estratégica. Por aqui, temos uma análise que divide o ambiente de negócios nos seguintes componentes:

  • Social – as tendências demográficas ou mudança nos padrões de estilo de vida;
  • Technological (tecnológico) – o surgimento de tecnologias concorrentes ou equipamentos de melhoria de produtividade para o seu negócio;
  • Economic (econômico) – taxas de juros, inflação e mudanças na demanda do consumidor
  • Environmental (ambiental) – mudando as expectativas dos clientes, reguladores e funcionários sobre desenvolvimento sustentável;
  • Political (político) – por exemplo, mudanças na cobrança de impostos, relações comerciais ou apoio financeiro para as empresas;
  • Legal – por exemplo, mudanças na legislação trabalhista ou na forma como o seu setor é regulamentado;
  • Ethical (ético) – padrões éticos e morais por exemplo, que regem as políticas e práticas.

A análise STEEPLE é frequentemente usada junto com a análise SWOT, para ajudar a identificar oportunidades e ameaças.

Cinco forças

O modelo das Cinco Forças ajuda as empresas a compreenderem os motivadores da concorrência em seus mercados. Ele identifica cinco determinantes principais de como operar em um determinado mercado pode ser para uma empresa:

  • poder de barganha dos clientes: quanto maior for, mais pressão sobre os preços e, portanto, a receita que eles poderão exercer;
  • poder de barganha dos fornecedores: a capacidade dos fornecedores de empurrar os preços para cima, pode ter um impacto significativo nos custos e na lucratividade;
  • a ameaça de novos concorrentes entrando em seu mercado ou indústria: mais empresas competindo torna mais difícil reter participação de mercado e manter os níveis de preços;
  • a ameaça de clientes mudarem para produtos e serviços substitutos: um exemplo seria a ameaça aos fabricantes de máquinas de fax representada pela ampla disponibilidade de e-mail;
  • o nível de competição entre as empresas no mercado: isso depende de uma ampla gama de fatores, incluindo o número e a força relativa das empresas e o custo para os clientes de alternar entre elas.

Espero que este post tenha te ajudado a tirar suas dúvidas sobre planejamento estratégico, mas se quiser saber mais, recomendo que leia o nosso artigo sobre como fazer um plano de marketing!

Ouça nosso Podcast!

Posts Relacionados