5 dicas de Google Analytics para melhorar as suas vendas

Oscar Sigaki

Oscar Sigaki

Engenheiro formado pela FEI, com MBA em Gestão de Negócios pela FGV e Professor de Pós-Graduação no curso de Marketing Digital na UMC. Já foi responsável pelo marketing de performance em projetos como Vivo, Smiles, Kroton, entre outros. Hoje é sócio e COO da Hubify.

4 minutos de leitura

Se você é um empreendedor em plena era digital, é provável que tenha um site para o seu negócio. Aqui, é importante utilizar ferramentas, como SEO, que analisam o seu funcionamento, para construir uma estratégia que realmente traga resultados. Por isso, vamos abordar neste artigo, algumas dicas de Google Analytics para você colocar em prática!

Afinal, ter um conhecimento nesse recurso é um diferencial. Os usuários mais experientes podem identificar na plataforma as oportunidades capazes de impulsionar seus faturamentos de forma considerável. Dessa forma, utilizar corretamente os dados contidos nele pode ser o que você precisa para aumentar suas vendas e receita.

Agora pegue o seu papel e caneta para acompanhar as nossas dicas!

1. Monitore o seu funil de vendas

Criar um funil de vendas é um processo complexo dentro do Inbound Marketing. Normalmente, são necessárias diferentes iscas digitais, calls to action (CTA – Chamada para Ação) e campanhas de e-mail para gerar uma única venda de um novo usuário.

Para facilitar o seu entendimento sobre as ações de marketing, é possível visualizar o seu funil de vendas dentro do Google Analytics. Assim, você passa a compreender quais páginas do site se correlacionam com cada etapa do funil, e também consegue enxergar possíveis melhorias.

Isso acontece pois os funis fornecem uma visão das etapas que os visitantes realizam, permitindo que você identifique os processos que fazem com que seu site perca os clientes em potencial.

A partir daí, você pode tomar as medidas que corrijam os problemas relacionados ao site, como alteração da carta de vendas ou ajustes nos CTA.

2. Defina metas (conversões)

Aqui, a afirmação “o que é medido, pode ser melhorado” é 100% verdadeira. Como você vai saber se seu site ou campanha está gerando negócio, sem contabilizar as conversões?

Dentro do Google Analytics, você pode criar uma meta (goal) para cada objetivo: baixar um e-book, clicar em um link, se cadastrar na newsletter, entrar em contato com um vendedor, entre outros. Essas metas ajudam você a ter insights importantes na hora de tomar decisões.

Imagine que você definiu uma meta de conversão que o cliente finalize a compra, as possibilidades são: indicar a página final do processo de compra como uma conversão, ou desenhar todo o processo de passagem do visitante, desde a entrada no site até a chegada no carrinho.

Assim, é possível entender o comportamento do usuário em cada uma das etapas. Por exemplo, se ele completa o cadastro, escolhe uma maneira de pagamento, mas desiste no momento em que o frete é calculado, deve-se elaborar estratégias para baratear os custos e otimizar suas vendas.

3. Realize testes A/B

O testes A/B faz mais do que permitir o experimento de uma variação na mesma campanha, ele também serve como uma das maneiras mais eficientes de validação, especialmente quando o assunto é otimizar as conversões do site.

É verdade que o princípio dessa ação é relativamente simples, mas é preciso executar as etapas com cuidado, já que cada teste é baseado em probabilidades e estatísticas que podem impactar diretamente os seus resultados.

Para isso, siga boas práticas na hora de executar os testes A/B, como fazer uma alteração de cada vez, definir um intervalo de avaliação entre os testes, e comparar versões alteradas com versões antigas para analisar o que mais funciona.

E-book SEO onpage

4. Foque em conhecer o seu público-alvo

Talvez, essa seja uma das dicas de Google Analytics mais utilizadas, afinal, aumentar o número de visitas e, consequentemente, a quantidade de clientes, são os principais objetivos da maioria dos negócios. Porém, no mundo digital, é fundamental não perder o foco. Durante a sua jornada de crescimento de engajamento, você deve lembrar sempre de observar os padrões de comportamento do seu público-alvo.

Entenda pontos como:

  • por qual página os internautas entraram no seu site e saíram;
  • o que o cliente mais acessou ou buscou no site;
  • por quanto tempo os usuários permanecem no seu site;
  • a atitude do cliente após acessar ou buscar determinado conteúdo.

As respostas dessa série “investigativa” ajudam você a compreender as necessidades e expectativas dos visitantes, entendendo o que deve ser feito para entregar uma melhor experiência aos usuários. Por exemplo, se notar que depois de procurar um conteúdo específico, o visitante saiu do site, pode ser que você precise melhorar os seus calls to action.

Um recurso que pode ser utilizado para esse fim é o fluxo de comportamentos (Comportamento > Fluxo de comportamentos), que mostra um mapa de cliques dos usuários dentro de cada página do seu site.

5. Aposte nas URLs personalizadas

As URLs personalizadas podem ajudar sua empresa a medir o sucesso (ou falta dele) de campanhas criadas dentro do Google Analytics, disparos de e-mails ou outros conteúdos específicos.

Considere que você venda sapatos online e esteja executando uma campanha com o Google Ads. Para tornar o seu anúncio mais eficiente possível, você precisará de dados sobre os visitantes que acessaram as páginas do seu site vindos desse anúncio, além de informações sobre as ações realizadas depois da visita e os resultados das visitas.

O primeiro passo é criar URLs personalizadas utilizando o criador de URLs do Google. Com a ferramenta, você pode adicionar parâmetros às suas URLs para campanhas personalizadas, sejam elas campanhas de e-mails ou de marketing digital.

Quando os visitantes clicam em um dos seus links personalizados, a sua conta do Google Analytics contabiliza parâmetros exclusivos que permitem identificar as URLs mais efetivas e que mais atraem os usuários para seu conteúdo. São essas URLs que também ajudam a acompanhar o desempenho de uma campanha e a entender a navegação dos clientes pelo seu site.

6. Configure os eventos

É importante ficar atento ao desempenho do seu site regularmente, mas nem sempre conseguimos notar todos os desvios, o que é normal. Quando surgem picos (ou quedas) enormes no tráfego que causam dúvidas, significa que os eventos entraram no jogo.

Os eventos são recursos que permitem definir parâmetros personalizados, para monitorar atividades incomuns no site e enviar alertas para os gerentes das contas. Por exemplo, um aumento de 200% no tráfego em determinado dia seria considerado incomum, por isso o Google Analytics registraria os dados em torno desse evento e alertaria você sobre ele.

7. Faça anotações em seus relatórios

Essa é uma das dicas de Google Analytics mais práticas, já que trata-se de organização! É importante controlar as análise em relação a como e quando as coisas aconteceram. Uma menção na mídia foi o motivo para um grande aumento no tráfego? A queda coincidiu com uma campanha de e-mail com baixo desempenho? Anote tudo isso e colete insights valiosos.

As anotações são notas simples que podem ser adicionadas a um gráfico de relatório, para explicar os aumentos ou quedas no tráfego, informar outros gerentes de conta sobre campanhas promocionais lançadas em determinado dia, entre outros.

Como você viu, todos os dados encontrados nessa plataforma oferecem muitas possibilidades de aperfeiçoar suas estratégias de marketing digital e aumentar o seu faturamento. Agora que você conhece as melhores dicas de Google Analytics, já pode começar a trabalhar com essa ferramenta e alcançar o sucesso. Boas vendas!

E então, gostou deste conteúdo? Não deixe de compartilhar com seus amigos, que também possam se interessar pelo assunto!

Ouça nosso Podcast!

Posts Relacionados