Lista de emails: 5 dicas para deixar sua base saudável

Autor Convidado

4 minutos de leitura

Hoje em dia, praticamente todo usuário de internet tem ao menos um endereço eletrônico e o utiliza em seu dia a dia para trocar mensagens. Assim, uma lista de emails é uma das estratégias digitais mais eficazes para empresas gerarem leads e prospectarem novos clientes.

Para ter sucesso, é preciso usar algumas táticas para deixar a sua base saudável. Elas fazem parte das ações de email marketing e são fundamentais para as campanhas. Se a lista não for de qualidade, os leads não se engajarão com as mensagens enviadas e não se tornarão clientes do seu negócio.

Neste post, trazemos 5 dicas que ajudarão você a desenvolver uma campanha de email marketing que traga mais resultados.

 

1. Não compre listas, crie a sua própria

É comum vermos listas de email sendo comercializadas na internet. Muitas empresas cometem o erro de comprá-las para ter menos trabalho em suas ações de marketing digital. Esse é um erro grave que você jamais deve cometer.

Até mesmo entidades de classes costumam vender listas de pessoas de uma determinada região em que atuam. Porém, mesmo que a compra possa parecer confiável e interessante, não cometa esse erro, pois estará jogando dinheiro fora.

Por mais que você pense que comprar uma lista pronta seja benéfico em um primeiro momento, é necessário levar em consideração que os emails são de pessoas que, muito provavelmente, não têm interesse no seu negócio.

Além disso, esse procedimento é pouco ético, pois essas pessoas não autorizaram você a entrar em contato com elas, o que pode fazer com que a sua empresa seja vista com maus olhos. Outro problema é que a lista pode ser antiga e muitos dos emails podem estar em desuso ou serem inválidos.

 

2. Envie campanhas segmentadas

Você deve levar em consideração que nem todo mundo que está em sua base está na mesma etapa da jornada de compra. Assim, pode ser inconveniente enviar um email de compra para quem está no topo do funil de vendas, por exemplo. Nesse caso, a pessoa pode se descadastrar da lista ou até mesmo marcar o seu endereço como spam.

Por isso, você precisa segmentar os seus leads e enviar emails exclusivos para cada uma das classificações. Os grupos criados podem ser de acordo com os leads gerados em cada estágio do funil de vendas (topo, meio e fundo).

 

3. Fique de olho nas métricas

Você não pode “dar tiros no escuro” ao desenvolver uma estratégia de email marketing. Todas as suas ações precisam ser embasadas em números, ou seja, em métricas que demonstrem se os resultados estão sendo interessantes para a sua empresa ou não.

São exemplos de indicadores que devem ser monitorados:

  • entrega: representa a quantidade de emails enviados que foram entregues com sucesso aos destinatários;
  • abertura: mostra o número de pessoas que abriram os emails, dividido pelo número de pessoas que o receberam;
  • cliques: demonstra a quantidade de emails que foram clicados (comparado com a quantidade que foi entregue);
  • crescimento da lista: apresenta o percentual de novos emails que se cadastraram na sua lista por meio de ações que você desempenha, como formulários em landing pages;
  • inativação da lista: é o contrário da métrica anterior, ou seja, a quantidade de pessoas que deixaram de engajar com o seu negócio. Também faz parte dessa taxa os emails que se tornarem hard bounces;
  • CTR (click-through rate): resultado da divisão feita entre o clique e a abertura. Essa taxa representa a proporção de cliques, comparado à quantidade de pessoas que abriram o email.

As próprias ferramentas para envio de email marketing costumam oferecer diversos tipos de relatórios de métricas que podem ser acompanhados. É necessário observar cada uma delas e, assim, compreender o real retorno de suas campanhas, bem como as possibilidades de melhorias.

 

4. Elimine os hard bounces

Hard bounce é o nome dado aos endereços inválidos que não recebem as mensagens que você envia. A eliminação desses emails se faz necessária pelo fato de você “queimar cartucho” ao fazer um envio para eles, criando, assim, uma má reputação para o seu servidor de email.

Os hard bounces podem ocorrer por vários motivos, como o endereço de email ter sido digitado de maneira incorreta ou então não existir mais. É bastante comum, por exemplo, que as pessoas tenham emails empresariais e deixem de utilizá-los quando saem do emprego, gerando hard bounces para as listas em que elas estão presentes.

O indicado é que uma lista de envio de emails nunca tenha um número de hard bounces maior do que 3%. Por isso, é preciso que você fique atento às mensagens de erro que você recebe ao enviar emails e elimine esses endereços que já não existem mais ou foram grafados incorretamente.

 

5. Relacione-se de maneira personalizada com leads desengajados

Ao analisar a métrica da taxa de abertura de emails, você pode perceber que alguns leads não estão abrindo as mensagens enviadas. Isso, porém, não significa que eles não possam ser trabalhados, mas sim que necessitam de um tratamento especial.

Os chamados leads desengajados podem colocar o seu domínio em uma blacklist, ou seja, classificá-lo como um desenvolvedor de spam. Isso é grave, e pode afetar o seu desempenho nas estratégias com leads que são engajados.

O relacionamento é a peça-chave para engajar leads, e, para isso, você pode utilizar táticas como perguntar quais conteúdos o lead gostaria de receber, ficar atento aos emails temporários e criar conteúdos muito personalizados.

Se você seguir a essas 5 dicas básicas, temos certeza de que você conseguirá deixar a sua base mais saudável e, assim, garantir uma estratégia de email marketing com muito mais sucesso.

 

Gostou deste artigo? Então compartilhe ele nas redes sociais e divida essas informações com os seus amigos!

 

Esse artigo foi escrito pela Resultados digitais.

 

Posts Relacionados