Público online: como construir uma audiência digital do zero?

Fabio Duran

11 minutos de leitura

Há 20 anos ninguém podia imaginar a expansão da internet — como vemos nos dias atuais. Ao contrário, poucos tinham acesso a ela, muitas dúvidas pairavam no ar, o termo “marketing digital” nem era propagado, as empresas não eram tão assíduas na rede, tampouco estavam preocupadas em criar uma audiência digital.

Os empreendedores sabiam da existência da ferramenta, mas ainda não faziam ideia da sua utilidade para os negócios. Hoje, a influência do virtual é tão explícita que fica impossível imaginar a realidade sem o suporte desse mundo paralelo — parece uma extensão de nós.

Tanto é verdade que a quantidade de acessos pelo mundo só aumenta. Por aqui, já ultrapassamos a margem de 100 milhões de brasileiros conectados, seja por meio de computadores convencionais ou dispositivos móveis. Os dados foram disponibilizados na 11ª edição da pesquisa TIC Domicílios.

O fato de ter tanta gente transitando em um ambiente tão fértil gera um forte frenesi pela busca de audiência. Na atualidade, dificilmente, você encontra alguma empresa fora da bolha da internet, porque fazer parte dessa estrutura também é uma forma de garantir a sobrevivência no mercado.

Antes, nem todos sabiam tirar proveito desse diamante bruto. Porém, no nosso tempo, até os mais leigos se fartam de seus benefícios.

Recentemente, o Sebrae divulgou que 90% das vendas, via comércio eletrônico, vieram dos pequenos negócios. Para complementar, a Associação Brasileira de Internet (Abranet) ressaltou que o faturamento das empresas, na rede, chegou a quase R$ 145 bilhões. E as estimativas da Forrester Research apontam para um desdobramento ainda melhor até 2021.

O que isso tem a ver com público online? Apesar dos números convidativos, boa parte dos empreendedores ainda não sabem como atrair o perfil certo — capaz de gerar conversões.

Afinal de contas, chamar a atenção de alguém no ambiente virtual não é uma tarefa simples, pois os usuários são frequentemente distraídos por um banner aqui, um vídeo ali, uma frase acolá.

Pensando na dificuldade que alguns ainda têm na hora de estruturar uma audiência digital do zero, organizamos este material com foco no assunto. Com ele, você vai aprender sobre público online e ainda ficará por dentro de outras questões relevantes. Acompanhe!

A importância da presença online para a empresa

  • Quanto tempo você passa conectado?
  • Quais sites costuma acessar?
  • Quais dispositivos utiliza para consumir informação?
  • Como chegou até este artigo?

Com algumas perguntas básicas já é possível ter um entendimento sobre a relevância do digital na vida das pessoas.

A título de curiosidade, os brasileiros passam mais de 3 horas conectados e os dispositivos móveis são os aparelhos mais usados nessa ação.

Isso prova que uma presença online bem construída é capaz de influenciar o público certo, porque reúne estratégia, originalidade e identidade, ou seja, é um conjunto de fatores que torna alguém ou uma empresa em autoridade na internet.

Antes era até mais fácil criar uma página e crescer rapidamente, porque não havia o conhecimento técnico como há hoje. Até os algoritmos do Google passaram por intervenções, justamente, para entregar ao receptor algo relevante.

Agora, para se dar bem na rede, é preciso passar pelo crivo dos buscadores. Ou seja, uma atitude sem o planejamento devido não surte efeito. Pois já não há espaço para ações aleatórias, palavras soltas ao vento e conhecimento raso (Se você precisa montar um site para a sua empresa, clique aqui e descubra tudo o que você precisa saber).

Para aumentar a base de clientes e vender mais, a empresa não pode se dar ao luxo de ficar de fora das vantagens proporcionadas por esse sistema de comunicação global, porque é onde as pessoas estão.

Delimitar o espaço online é uma forma de gerar vantagem competitiva, pois atrai credibilidade e, ainda, potencializa as oportunidades. Só para que você perceba a urgência do que estamos abordando, mais de 90% dos consumidores efetuam as suas compras somente depois de pesquisarem na internet.

O boca em boca entre os clientes ainda existe, mas, hoje, ele é conduzido de uma outra maneira. Isso faz com que o receio de algumas empresas, em relação às críticas virtuais, aumente. Porque os consumidores já não são meros espectadores.

No entanto, deixar de abocanhar uma boa fatia desse mercado por falta de presença online é o mesmo que dar 10 passos para trás. Veja outros atributos importantes:

Possibilidade de novos contatos

Seja por meio de site, blog, redes sociais, as pessoas estão sempre interagindo umas com as outras. Portanto, é um ótimo jeito de encontrar gente e fazer negócios.

Portas abertas 24 horas por dia

Os clientes podem fazer contato com a sua empresa no momento mais oportuno para eles. Por se tratar de uma vitrine permanente, sempre há um vendedor (sistema) disposto a atender a qualquer hora. Se alguém resolve acessar a página às 3 horas da madrugada, você não perde a venda.

Feedback em tempo real

É possível ampliar os canais de comunicação, a fim de melhorar o relacionamento com o consumidor. Dessa forma, qualquer crítica negativa pode ser facilmente revertida a partir de um atendimento eficaz.

E as positivas podem ser usadas como forma de promover a empresa e a deixando com status de um negócio com autoridade naquele serviço.

Estratégias eficientes

Os softwares são desenvolvidos para levar a informação relevante até o perfil ideal. Por exemplo, se você tem uma loja que vende material de pesca, o melhor jeito de propagar os produtos é por meio das pessoas certas. E, nesses sistemas, a gente consegue adequar as características do cliente em potencial.

Construção de reputação

Em um mercado tão concorrido, quem não quer se destacar? As intervenções no ambiente online podem ser mais rápidas e isso melhora no quesito satisfação do cliente.

Mais comodidade e praticidade

A experiência do usuário é um tema de grande importância, por isso, poder contar com subsídios agregadores é uma forma de largar na frente dos concorrentes. Afinal, ninguém quer perder tempo procurado um número nas listas de telefone.

Os principais passos para construir uma audiência online

Se você chegou até aqui é porque compreendeu a necessidade de fazer parte dessa corporação virtual. Mais do que isso, decidiu vencer a concorrência com o conhecimento adequado, certo?

Estamos animados com a sua decisão, pois atitudes como essa nos motiva a produzir, cada vez mais, conteúdos relevantes. Afinal, quando as estratégias são bem implementadas, até mesmo um pequeno negócio é capaz de duelar com os gigantes.

A construção da reputação na rede não é algo simples, tampouco ligeiro. É um trabalho de formiga — todo dia um pouco mais. Apesar disso, os resultados são compensadores. Então, que tal começar hoje?

Criação de um site e um blog

Como você chegou até esta informação? Pois bem, é desse jeito que você também vai levar gente para o seu site — entregando as pessoas aquilo que elas foram buscar.

Mas como os consumidores vão lhe achar se você não investe em um endereço online? Fica complicado. Nesse caso, o primeiro passo é resolver esse entrave de localização.

E, no caso de a sua empresa já possuir uma página, é importante que ela promova uma agradável experiência do usuário. Portanto, é imprescindível dar uma atenção especial para a responsividade, já que nem todo mundo realiza acessos pelo computador convencional.

Há quem diga que as redes sociais sejam as substitutas dos sites, mas isso não é bem assim.

Embora elas sejam parte importante do planejamento estratégico, porque ajudam a potencializar os assuntos divulgados e a estreitar a distância entre empresa e consumidor, é válido salientar que cada um desses canais apresentam suas particularidades.

A gente consegue refutar essa hipótese da seguinte maneira:

  • as redes sociais pertencem a terceiros, portanto, as ações são limitadas e tudo pode mudar de uma hora para outra. Por outro lado, o endereço online passa maior credibilidade para o cliente e, ainda, transmite a segurança de que precisamos para atrair leads e gerar tráfego;
  • como foi destacado, o consumidor usa a internet para pesquisar sobre produtos, instituições e serviços. Isso só reforça o uso das táticas de SEO e de anúncios do Google Adwords, pois elas são capazes de colocar a página entre as primeiras dos buscadores. Sem um site otimizado, você simplesmente passa a vez para a concorrência.

Criação de páginas em redes sociais

Se por um lado as redes sociais não devem ser consideradas as substitutas dos sites, por outro, elas agregam valor para as empresas, pois auxiliam em diversas ações e ajudam a ampliar os canais de comunicação.

Nesse sentido, criar uma fanpage no Facebook, em vez de um perfil, acaba sendo uma tática promissora para a construção de um público online.

Além do mais, o provedor deixa claro nos termos de serviço que o perfil é de caráter pessoal. Portanto, formar uma base de amigos para depois perder não é nada interessante para quem está mirado na reputação.

Outro dado que destaca a fanpage como melhor opção para os negócios tem a ver com a restrição de conexões, pois, em um perfil, o limite de gente conectada não pode passar de 5 mil, ao passo que o formato empresarial não fica restrito a quantidade de seguidores.

Na página, ainda temos a oportunidade de personalizar as abas, analisar os dados, criar anúncios, os seguidores podem fazer check-in e marcações, é possível colocar um botão de Call To Action (chamada para ação — CTA) e também desfrutar de outros benefícios voltados para a realidade corporativa.

Além dessa, você ainda pode aproveitar os espaços para negócios disponibilizados no Twitter, Google+, Pinterest, Instagram, Youtube.

Definição da persona

No que tange à criação de empresa, os empreendedores costumam estruturar um plano de negócios para conhecer o mercado, organizar o orçamento e até pesquisar as características do público-alvo.

Mas quando falamos de persona surge na mente alguém mais próximo e não um grupo no meio da multidão, porque essa é a grande diferença da classificação de atributos. Como isso funciona na prática?

Perfil A — Homens de 25 a 40 anos, profissionais de Tecnologia da Informação (TI), das classes A e B, predominantes da região Sudeste do Brasil, prezam pelo atendimento eficiente e produtos de qualidade. Perfil B — Jonas tem 30 anos, é gerente de TI em uma multinacional de produtos eletrônicos, mora em São Paulo, pesquisa por lojas de ternos italianos na internet, pois gosta de acompanhar as tendências e valoriza muito o estilo no ambiente profissional.

Qualidade é uma palavra que não pode faltar nos produtos e também no atendimento, por isso, ele prefere os sites responsivos, pois, devido ao tempo corrido, na maioria das vezes, realiza suas compras por meio de dispositivos móveis.

Na comparação entre os perfis A e B, a descrição da persona traz uma figura específica. Isto é, um cliente com grande chance de gerar conversão. Em se tratando do caso A, a mensagem pode atingir vários homens, profissionais da área de TI e não cumprir com o propósito.

Apesar de o atendimento e a qualidade dos produtos serem uma prioridade para eles, a exposição não deixa clara as suas preferências, tampouco o nome da cidade onde moram e o cargo que ocupam.

Essa definição é importante porque implica na geração de um conteúdo objetivo, com a linguagem adequada, palavras-chaves atraentes, enfim, interfere em toda estratégia.

Produção de conteúdo relevante

O conteúdo é uma das formas que a gente tem para educar o mercado. Por exemplo, se a minha loja vende produtos eletrônicos, os temas precisam ser desenvolvidos com foco nesse segmento, a fim de atingir os potenciais clientes.

No exemplo do Jonas, poderíamos abordar: os tipos de corte dos ternos ou os modelos de ternos indicados para as diferentes ocasiões, sempre acrescentando a palavra qualidade, já que o seu interesse é em marcas italianas.

Nesse caso, a escolha das palavras-chave também devem se adequar a esses critérios, porque do contrário não surte tanto efeito no sistema de algoritmos. E, consequentemente, o seu negócio não se destaca entre os dos concorrentes.

Depois, com as referências coletadas, procure apresentar a solução, mostrar o diferencial e, claro, inserir as táticas do marketing digital para que o artigo não seja somente um texto interessante nesse emaranhado de informações.

Outra coisa, a regularidade das postagens é essencial para conduzir o público. Pois, de que adianta lançar um conteúdo incrível em um dia e ficar o resto do mês sem incluir nada? Organize a sua agenda, converse com o time e tente, ao menos no início, disponibilizar de dois a três temas por semana. Que tal?

É muito importante ter uma equipe de marketing de conteúdo preparada, assim você tem a chance de avaliar as vantagens, produzir bons conteúdos e gerenciar melhor o seu blog.

Promoção de conteúdo

Deixe o conteúdo acessível, pois isso facilita o acesso da persona. Nesse caso, navegue pela sua página e tente compreender as dificuldades do usuário na hora de achar alguma informação.

A partir disso, implemente as melhorias a fim de deixá-la com um layout mais limpo, de fácil navegação e com uma escaneabilidade agradável e, claro, responsivo. Não deixe o conteúdo escondido, insira hiperlinks no conteúdo no intuito de destacar as suas outras postagens.

Já falamos delas, mas não podemos deixar de citar que as redes sociais são alternativas excelentes para divulgar produtos e serviços. Mas, não se empolgue tanto, porque os posts devem obedecer aos critérios de cada plataforma. Além disso, você deve estabelecer quais atendem às expectativas de seu negócio. Se é foto, então temos o Instagram e o Pinterest, se é apenas textos, temos o Twitter e o LinkedIn, se é os dois, temos o Facebook e por aí vai.

Hoje, contamos com o auxílio dos influenciadores digitais, ou seja, pessoas formadoras de opinião sobre determinado assunto na rede. Entre em contato com elas e tente estabelecer uma espécie de colaboração mútua.

Por fim, participe de eventos, comunidades específicas, faça uso do e-mail marketing e não abra mão dos anúncios pagos, como os do Google Adwords e Facebook Ads.

Interação com os usuários

A construção da audiência do zero funciona como uma via dupla, na qual ganha o emissor e também o receptor.

O usuário não vai interagir com a sua página se ele não perceber alguma vantagem. Isso não inclui somente a distribuição de brindes, descontos e promoções, mas também ao ganho de informação relevante.

Por isso, lance enquetes, responda aos comentários, não deixe o seguidor esperando muito pelo feedback, organize eventos, promova os conteúdos, disponibilize imagens impactantes e de boa qualidade.

Além disso, faça vídeos, deixe a descrição objetiva e clara, escolha as palavras-chave interessantes. Enfim, aproveite o espaço para mostrar a sua empresa para o mundo.

Como engajar o público online

A atração é o primeiro passo para o engajamento, porque ela cumpre com o propósito de educar o mercado. Isso até nos remete às etapas do funil de vendas, em que alguns passos são considerados, antes da conversão:

  • descoberta: quando o consumidor não sabe que tem um problema, mas você consegue despertar nele o interesse pelo assunto. Abre-se aí os caminhos para a oportunidade de negócio;
  • reconhecimento: ao detectar o problema, o comprador passa a pesquisar sobre o tema;
  • consideração: após averiguar algumas soluções, o usuário começa a analisar as possibilidades. Nesse momento, você deve estimulá-lo, criando um senso de urgência;
  • decisão: essa é a hora de apresentar os diferenciais competitivos.

Entenda que o engajamento é o caminho para trazer mais leads, vendas, seguidores, e-mails. Por isso, a experiência do usuário deve ser levada em conta, a fim de facilitar ao máximo a sua estadia. Pois, com estratégia, você consegue direcioná-lo até o objetivo final.

O método consiste em chamar a atenção e também convidar os interessados a participarem do assunto. Ou seja, a comunicação vai e volta de alguma forma, seja por meio de curtidas, visualizações, quantidade de acessos, preenchimento de formulários, compartilhamentos, cadastro de e-mail etc.

Porque o envolvimento é o resultado de todo esforço promovido pelos artifícios do marketing e da publicidade. E ele está diretamente ligado ao que se deseja medir. Mas, cuidado com as métricas de vaidade — aquelas que só mostram números, mas não apresentam resultados.

Por exemplo, para os lojistas de e-commerce a resposta positiva é a aquela que gera vendas. Isto é, se as curtidas e os compartilhamentos não convertem, então, é necessário voltar ao início, avaliar todos os dados, a fim de detectar a falha.

Normalmente, o engajamento é realizado por meio das redes sociais, dos blogs, das ferramentas de SEO, do site responsivo, dos e-books, das promoções, das enquetes, das recompensas, entre outros.

Como converter a audiência

Depois de todo o volume de visitas, o passo seguinte é tornar os visitantes em leads. Nesse caso, é feito uma troca, na qual o consumidor fornece dados como nome, telefone, e-mail, por conteúdos relevantes. Essa captação pode ser realizada por meio de alguns recursos como:

  • CTA: permite download de e-books, infográficos, vídeos, convite para compartilhar o conteúdo e seguir nas redes sociais, assinatura de newsletter, agendamento de consultoria, direcionamento para um produto, linkagem para outro artigo do blog. Enfim, existem vários tipos de chamadas;
  • formulários: possibilita coletar informações importantes para a qualificação de leads. Após o preenchimento, o participante recebe um conteúdo de seu interesse. Normalmente, o recurso é encontrado nas landing pages;
  • landing page: página em que o prospect cede os seus dados, em troca de um benefício;
  • e-mail marketing: amplia anda mais o processo de nutrição de leads, pois a persona recebe informação de valor sobre um serviço ou produto;
  • lead scoring: qualifica e prioriza leads automaticamente, identificando os mais inclinados para a compra;
  • workflows: automatização que combina diversas ações de marketing e libera assuntos pertinentes para a persona;
  • automação de marketing: criação de fluxo de nutrição ou de e-mails personalizados para atender às necessidades do público online, sempre respeitando as etapas do funil de vendas;
  • CRM: deixa o trabalho mais eficiente, organizando as informações de leads.

Construir uma audiência digital do zero não é a coisa mais simples do mundo. No entanto, quando as estratégias começam a dar os primeiros resultados, a gente sente que vale a pena persistir nessa empreitada de ter um público online.

Ainda não se convenceu de que é importante investir em marketing digital para sua empresa vender mais? Clique aqui e leia um artigo fantástico que detalhe por que não podemos deixar nossa empresa de fora da internet.

Que tal ficar por dentro de outros conteúdos relevantes como este? Assine a nossa newsletter e faça parte da nossa lista vip.

Posts Relacionados