O que é Neuromarketing e como usar em suas estratégias

Andreia Pereira

Andreia Pereira

4 minutos de leitura

Você já ouviu falar no termo Neuromarketing? Esse conceito significa a junção da neurociência com marketing, e tem como objetivo analisar o comportamento do consumidor, para obter estratégias mais inteligentes e assertivas.

Apesar de ser uma área relativamente nova, ela nos traz inúmeros insights, e nos ajuda a entender o que faz o consumidor escolher uma marca ou comprar um produto, analisando o processo de tomada de decisão que começa no inconsciente. E agora você vai ver como isso acontece. Boa leitura!

Como o cérebro funciona

Existem determinados estímulos que ativam partes específicas do cérebro, assim podemos criar conteúdos que estimulam sensações em nosso público-alvo, fortalecendo as estratégias de marketing digital. Em outras palavras, o cérebro é dividido em três partes:

  • cérebro reptiliano: controla tudo que é responsável pela nossa sobrevivência e é ativado por emoções primitivas como medo, fome e raiva;
  • cérebro límbico: responsável por armazenar dados e é ativado por sensações que envolvem os 5 sentidos;
  • neocortex: essa parte é usada na tomada de decisões, já que controla o raciocínio e o lado social.

Dessa forma, as propagandas, sons, interações sociais e fragrâncias ativam o sistema reptiliano, límbico e neocortex, que racionalizam as nossas decisões!

Utilizando o Neuromarketing para otimizar as conversões

O processo de tomada de decisões começa no inconsciente, e não acontece 100% de forma lógica ou racional, como a gente pensa. Por isso, o Neuromarketing ajuda a fazer com que a jornada de compra do seu público-alvo seja mais assertiva, se você apostar em conteúdos que estimulam os sentidos e emoções citados no tópico anterior. Agora, vamos mostrar como isso funciona na prática:

Imagens valem mais que palavras

Já foi comprovado que as pessoas são mais receptivas e entendem melhor as imagens do que os textos. Portanto, esse é um ótimo formato para aplicar em conteúdos de Mídias Sociais.

Assim, além de humanizar os seus perfis nas redes sociais, investir em imagens e vídeos também gera mais engajamento. Isso acontece, pois criar estratégias visuais, estudando o comportamento do público em relação a cada tipo de conteúdo vai despertar emoções positivas nos seguidores, incentivando o compartilhamento e a interação com eles.

Psicologia das cores

Você sabia que cada cor nos desperta uma emoção diferente? Segundo um estudo realizado por Satyendra Singh, 90% das decisões que levam as compras são tomadas por influência das cores. Então, usá-las de forma estratégica, pode render bons frutos.

Por enquanto, o foco deste artigo não é sobre o significado de cada cor, mas temos algumas dicas para te ajudar a utilizá-las a seu favor:

  • tente destacar o seu CTA, utilizando cores diferente do site;
  • estude o que as grandes marcas querem transmitir suas cores;
  • escolha as cores que representam sua marca e a mensagem que deseja passar;
  • opte por tons que harmonizam e tornem o seu conteúdo/site agradável.

Gatilho mental da escassez

O gatilho da escassez funciona muito bem, pois as pessoas costumam dar mais valor ao que é escasso, em vez de focar no que é farto, o que gera o senso de urgência! Portanto, esse tipo de estratégia impulsiona a ação de consumo com mais intensidade, já que leva as pessoas a tomarem decisões rápidas.

Essa estratégia é muito utilizada em anúncios de vendas, já que além de ser atrativa, também estimula a sensação de que, caso o cliente não compre, ele estará perdendo uma oportunidade.

Estímulos emocionais

Já vimos que a emoção faz diferença na tomada de decisão do cliente, então criar estratégias que despertem sentimentos no seu público gera empatia para sua marca, e faz com que as pessoas se interessem pelo conteúdo, de forma natural.

Claro que devemos tomar cuidado para não fazer campanhas apelativas e depreciativas, uma vez que a ideia é transmitir algo positivo com a sua mensagem. Seja um conteúdo de humor ou estratégias de storytelling (arte de contar histórias com narrativas e personagens para o público se identificar), é importante criar empatia.

Esses são apenas alguns insights sobre como o Neuromarketing pode agregar nas estratégias, mas as possibilidades são inúmeras, e existem alguns autores que podem expandir o nosso mindset nesse campo estudo.

Livros sobre Neuromarketing

Quer saber mais sobre o assunto? Aqui vão algumas dicas de livros que vão te ajudar a se aprofundar nesse segmento, e fazer com que você entenda melhor a mente humana, em relação às compras e o marketing.

Afinal, o que os Clientes Querem?

Escrito pelo autor Gerald Zaltman, um dos pioneiros nessa área de estudo, o livro fala sobre a “mente do mercado” baseando-se na sociologia, neurologia e biologia. Essa leitura faz uma reflexão sobre grandes marcas como Coca-Cola, Procter & Gamble e Reebok, e os impactos que seus serviços trazem aos consumidores. Uma análise da mente para entender como somos influenciados para decisões de compras, e a maneira que o mercado utiliza isso para incentivar o consumo.

A lógica do consumo

Em “A lógica do consumo”, o autor Martin Lindstrom fala sobre pesquisas que buscam entender o que levam as pessoas a comprarem e escolherem determinada marca. De forma leve e sem complexidade, esse livro te faz entender como o cérebro reage a estímulos de consumo como propagandas, desvendando mitos e saindo do óbvio.

As três mentes do neuromarketing

Nesse livro, o autor Marcelo Peruzzo utiliza três personagens para representar nosso cérebro triúnico (as três divisões do cérebro citadas no inicio do artigo). A narrativa também mostra como o neuromarketing pode ser aplicado as novas tendências do mercado, e nos ajuda a enxergar o consumidor com outra perspectiva, o mercado e as estratégias que incentivam o consumo.

Gostou da leitura de hoje? Então não deixe de ler nosso artigo sobre estratégias de marketing digital para otimizar seus resultados.

Ouça nosso Podcast!

Posts Relacionados