Black Hat SEO: entenda por que você precisa evitar essa prática!

Isabella Villar

Graduanda em Marketing na Fatec Sebrae, é fascinada pela versatilidade da área. Faz parte do time de Inbound Marketing da Hubify e atua como Revisora de Conteúdo.

6 minutos de leitura

Conquistar as melhores posições nos motores de busca é fundamental para o sucesso dos negócios, porém existem regras a serem cumpridas, e práticas a serem evitadas. Um exemplo disso é o Black Hat SEO, que representa o caminho errado.

Isso acontece, pois essa técnica busca manipular os algoritmos dos mecanismos de busca, em vez de resolver para o usuário. Assim, ele é prejudicial para sua empresa, já que os gigantes como Google, Youtube, Bing, entre outros, sabem identificar o que está errado…  

Portanto, eu criei este artigo para você conhecer quais são os exemplos que você não deve seguir, e os efeitos negativos que podem causar ao seu site. Confira!

O que é Black Hat SEO?

Basicamente, ele refere-se a um conjunto de práticas que são utilizadas para aumentar a classificação de um site ou página nos motores de busca, por meios que violam os termos de serviço. 

O termo “black hat” que significa chapéu preto remete aos filmes de faroeste, que utilizam o acessório para distinguir os “bandidos” dos “mocinhos” de chapéus brancos. Hoje, ele é mais usado para descrever hackers de computador, criadores de vírus e quem realiza ações antiéticas com computadores.

Essas práticas vão contra os termos de serviço do mecanismo de pesquisa e podem resultar no banimento do site do mecanismo de pesquisa e sites afiliados. 

Os principais exemplos de Black Hat SEO

1. Unrelated Keywords

Em primeiro lugar, aqui estamos falando sobre a prática de preencher o seu conteúdo com palavras-chave irrelevantes, na tentativa de manipular a posição da página nas páginas de resultados de pesquisa. Adicionar várias variações de palavras-chave onde não agregam valor, vai criar uma experiência ruim para os usuários. 

O Google exemplifica esse conceito como:

  • listas de números de telefone sem valor agregado;
  • blocos de texto listando cidades e estados para os quais uma página da web está tentando classificar;
  • repetir as mesmas palavras ou frases com tanta frequência, que parece artificial.

2. Cloaking

Ele significa mostrar uma parte do conteúdo aos usuários e outra aos mecanismos de pesquisa. Os sites que praticam o black hat SEO farão isso para classificar o conteúdo em uma variedade de termos irrelevantes para seu conteúdo. Geralmente, os sites de spam fazem isso para tentar evitar que um robô de mecanismo de pesquisa descubra o conteúdo de spam, que eles veiculam para os usuários.

Ajustar o seu conteúdo para diferentes grupos de usuários é aceitável. Por exemplo, você pode reduzir o tamanho do seu site, quando alguém o visita de um dispositivo móvel. Ou então, alterar o idioma de uma página com base no país de quem está visitando. Esses exemplos são aceitáveis, contanto que você não esteja apenas alterando o conteúdo que aparece para os rastreadores do mecanismo de pesquisa.

Embora não exista uma regra clara para determinar o que é aceitável ou não, o principal conselho é se perguntar: o que você pretende fazer é viável para o usuário? 

3. Sneaky Redirects

Um redirecionamento envolve o envio de alguém para um URL diferente daquele em que ela clicou inicialmente. Portanto, o Black Hat SEO usa os redirecionamentos fora da finalidade a que se destinam. Ou seja, redirecionar uma página autorizada com muitos backlinks para outra irrelevante, apenas para impulsionar sua posição nos resultados de pesquisa. 

Os redirecionamentos devem ser usados ​​apenas para os fins para os quais foram projetados. Isso pode ser no caso de você alterar o domínio do site ou consolidar duas partes do conteúdo. 

Também é aceitável usar JavaScript para redirecionar usuários em algumas ocasiões. Por exemplo, o LinkedIn te redireciona para o perfil completo de alguém, quando você está conectado, em vez de mostrar a versão pública do perfil de um usuário quando está desconectado. 

4. Conteúdo de baixa qualidade

Um conteúdo de baixa qualidade não tem valor para o usuário, portanto, essa também é uma prática comum no Black Hat SEO. Os exemplos mais comuns aqui envolvem a cópia de um conteúdo para o seu site, que desde a atualização do Google em 2011, está sendo facilmente identificada.

Adicionar palavras-chave invisíveis ao seu conteúdo também é uma prática proibida. Alguns sites fazem isso tornando o texto da mesma cor do plano de fundo da página. Isso significa que a página pode aparecer nos resultados da pesquisa para essas palavras-chave invisíveis, mesmo que não haja nenhum conteúdo visível sobre elas na página. Quando um usuário clica no resultado pensando que será sobre o tópico que pesquisou, ele não encontrará nenhum conteúdo que estava procurando, pois as palavras-chave são invisíveis!

E-book SEO onpage

Outro caso é quando uma empresa cria um conteúdo em torno de um tópico apenas para conquistar boas posições, e depois ela altera. Isso cria uma experiência negativa para os usuários, pois o conteúdo que eles clicam não existe mais. 

Portanto, é importante frisar que a criação de conteúdo de alta qualidade gera confiança em seu público-alvo e transforma visitantes em clientes.

5. Links pagos

Os motores de busca como o Google proíbem estritamente a compra e venda de links. Isso inclui o envio de produtos gratuitos a um site em troca de links. 

Você deve evitar pagar qualquer outro site para criar um link para o seu conteúdo. O Google pede aos usuários que informem sobre casos de pessoas comprando ou vendendo links. Eles afirmam que irão penalizar o comprador e o vendedor de links assim que a prática for detectada.

Se você está lendo isto tendo comprado links sem perceber que esta é uma tática errada, é preciso removê-los o mais rápido possível. Você também pode usar a ferramenta rejeitar links se não conseguir que os webmasters removam os links. Isso instrui o Google a desconsiderar os links pagos ao calcular seu PageRank.

6. Rich snippets

Os dados estruturados também são conhecidos como rich snippets, eles permite que você altere a forma como seu conteúdo é exibido nas páginas de resultados do mecanismo de pesquisa. Isso faz com que o seu conteúdo se destaque dos concorrentes e também oferece mais espaço nas páginas de resultados. Você pode adicionar dados estruturados a uma página exibindo um podcast, receita, livro entre outros produtos e serviços. 

Por outro lado, quando falamos em Black Hat SEO, isso envolve o fornecimento de informações imprecisas em dados estruturados, para enganar os mecanismos de pesquisa e usuários. Por exemplo, alguém pode se premiar com cinco estrelas em um site de avaliações falsas, e adicionar os rich snippets para que se destaquem nas páginas de resultados de pesquisa. Essa é uma prática muito arriscada, pois os motores de busca como o Google encorajam os usuários a relatar sites que usam dados estruturados, de forma indevida.

7. Spam de comentários

Como o nome sugere, essa técnica envolve a inclusão de um link para seu site nos comentários do blog. Essa prática ocorre com menos frequência hoje em dia, já que mecanismos de pesquisa como o Google atualizam seu algoritmo para descontar quaisquer links em comentários de blog. A maioria dos blogs oficiais agora cria links em comentários de blog nofollow por padrão. Isso significa que os mecanismos de pesquisa como o Google não seguem o link nem o link passa por qualquer autoridade.

Os comentários em blogs, com links para o seu site, são uma forma de spam de obter links para o seu site e é altamente recomendável evitar essa prática.

Se você possui uma publicação, fórum ou comunidade que permite comentários, deve tomar cuidado para garantir que sua seção de comentários não receba spam de bots ou pessoas. Os mecanismos de pesquisa como o Google rebaixam ou removem completamente as páginas que contêm spam dos resultados da pesquisa. Usar ferramentas anti-spam como a ferramenta gratuita do Google, reCAPTCHA, é uma forma de reduzir o risco de spam de conteúdo gerado pelo usuário.

8. Link Farms

Por último, aqui temos um site ou uma coleção de sites desenvolvidos exclusivamente com a finalidade de construção de links. Cada site está vinculado ao site que eles desejam ter uma classificação mais elevada nos mecanismos de pesquisa. Os mecanismos de pesquisa classificam os sites observando o número de links que apontam para ele, entre outros fatores.  

Geralmente, os links contêm a palavra-chave pela qual desejam que o site seja classificado no texto âncora. Os motores de busca como o Google podem detectar facilmente os link farms e seu uso deve ser evitado. Em vez disso, você deve usar práticas, como a criação de conteúdo incrível, gráficos, dados, entrevistas ou qualquer outro conteúdo que permita adquirir backlinks naturalmente ao longo do tempo.

Por que você deve evitar o Black Hat SEO? 

As táticas de Black Hat SEO podem fazer com que seu site seja banido do Google e de outros mecanismos de pesquisa!

Embora possa haver algum sucesso de curto prazo, por meio do aumento do tráfego para seu site, as penalidades do Google estão se tornando cada vez mais sofisticadas e podem ter efeitos devastadores em seus rankings e tráfego. Com centenas de milhões de usuários pesquisando no Google por dia, você não pode se dar ao luxo de ser desindexado.

Embora o Black Hat SEO não seja ilegal, ele viola as diretrizes para webmasters estabelecidas pelos mecanismos de pesquisa. Em outras palavras, ainda é contra as regras. Além disso, os motores de busca estão cada vez melhores na detecção de práticas erradas. Hoje em dia, ser pego praticando o Black Hat SEO é praticamente inevitável. 

Espero que tenha gostado deste artigo e que ele seja útil para vocês não cometer os mesmos erros que foram citados acima. Se quiser saber mais sobre as atualizações do Google, sugiro que leia o nosso artigo sobre Google Page Experience!

Posts Relacionados