Data-driven: aprenda a tomar decisões baseadas em dados

Fabio Duran

Fabio Duran

Cofundador e CEO da Hubify. GDista, apaixonado por economia comportamental e vendas. Advogado formado pelo Mackenzie e pós-graduado em Administração de Empresas e Gestão de Projetos pela Universidade da Califórnia.

7 minutos de leitura

O data-driven é um conceito, uma estratégia, um recurso, uma ferramenta e um comportamento. Tantas definições servem para retratar o quanto os dados são importantes para a definição de estratégias de gestão e de marketing — são eles que mensuram o desempenho e direcionam a tomada de decisão!

Ter um negócio data-driven: esse é o objetivo de muitos empreendedores que estão em busca de melhorias nos processos e nos resultados da empresa a partir de informações que sejam geradas por dados confiáveis e de ampla relevância.

As decisões tomadas em qualquer tipo de negócio têm o poder de influenciar não apenas a implementação das estratégias de marketing, mas a capacidade do time de assimilar as ideias e aplicar o que a gestão anseia.

Você também está em busca de tornar sua empresa mais eficiente e garantir um negócio rentável? Siga com a gente na leitura deste artigo e confira como o data-driven pode conduzir a uma tomada de decisões, onde os dados são protagonistas!

O que abordaremos neste conteúdo?

  • O que é data-driven?
  • Por que é tão importante para as estratégias de marketing?
  • Quais são as vantagens de ter uma cultura baseada em dados?
  • As decisões tomadas são mais confiáveis
  • A empresa possui maior capacidade de predição
  • É possível segmentar estratégias por consumidor
  • Melhora a experiência de compra
  • Os processos são otimizados
  • Como criar a cultura data driven dentro da sua empresa?
  • Engajar colaboradores sobre o uso de dados
  • Utilizar ferramentas de automação
  • Garantir dados acessíveis a todos
  • Definir responsáveis pela gestão dos dados
  • gerenciamento dos dados de clientes

O que é data-driven?

O conceito pode ser relativamente novo, mas desde que a tecnologia assumiu um papel de destaque no desenvolvimento de ferramentas de otimização para as empresas, sempre houve uma infinidade de dados transitando nos bastidores sem que fossem utilizados.

O data-driven é o entendimento de processos orientados por dados, ou seja, as decisões que antes eram tomadas por feeling ou certezas subjetivas, agora consideram as informações produzidas pelos dados gerados em grande escala nas rotinas processuais do dia a dia.

Abrir uma empresa e conduzir um negócio envolve grandes riscos e desafios para seus gestores, por isso, quanto mais confiáveis as informações, maior será a segurança para tomar decisões mais ousadas e se colocar à frente da concorrência.

É exatamente isso que o data-driven propõe — municiar empreendedores e gestores com dados consistentes e reais, coletados e filtrados de acordo com as metas traçadas, transformados em informações para geração de relatórios analíticos.

A ideia é que com a aplicação das políticas também com base em dados, seja visualizado o aumento das vendas, comparado à geração de engajamentos para qualificar melhor os leads — aqueles visitantes que demonstram interesses pela marca e preenchem formulário para serem contatados de volta.

Por que é tão importante para as estratégias de marketing?

Com o advento da internet, da transformação digital, da mudança de comportamento do consumidor e da virtualidade comercial, dificilmente uma empresa sobreviverá se seus dirigentes tomarem decisões com base em achismos e insights.

As oportunidades de vendas aumentam exponencialmente com o alcance imediato aos consumidores que visitam os sites em buscas de produtos ou serviços. Mas, para que a conversão aconteça é preciso antes estudar os gostos e preferências do público-alvo para criar campanhas mais bem direcionadas.

Na fase em que o visitante se mostra interessado pelo que a sua empresa oferece é fundamental coletar os dados de movimentos e interpretar os sinais deixados, para compreender as probabilidades de geração de leads e potencial cliente no futuro.

As ações de inbound marketing requerem um cuidado especial com a dor de qualquer pessoa que, de alguma forma, interaja com a marca. São muitos os gatilhos que podem ser acionados para estimular o interesse de um visitante — o primeiro passo de uma jornada de conversão.

O marketing passou por uma mudança incrível e todas as estratégias digitais estão atreladas a algum tipo de dado, seja quantitativo ou qualitativo. As métricas e indicadores não podem ser mensurados sem considerar alguns critérios presentes nesses dados.

São milhões de dados diários e reproduzidos dentro dos ambientes disponíveis para a interação com o potencial e futuro cliente. É preciso acreditar que um visitante se tornará mesmo um cliente para utilizar todos os recursos e mecanismo de coleta de dados para atrair e reter esse público.

O aumento do tráfego orgânico depende dos dados coletados e da interpretação dos fatos gerados. Se a gestão deseja ter os dados como fonte de pesquisa, deve elaborar uma prévia do que deseja encontrar ao transformar os dados em informações.

Você pode, por exemplo, desejar saber algo como:

  • os conteúdos mais acessados;
  • o tempo de leitura por conteúdo;
  • a permanência no site;
  • as dúvidas reproduzidas;
  • as sugestões de preferências;
  • o poder aquisitivo com base nas pesquisas realizadas.

Essas são apenas sugestões do que a sua empresa pode utilizar para aproveitar os dados. Cada empresa possui uma realidade diferente e deve seguir não só a demanda, mas a filosofia e a razão de existência, para criar estratégias que possibilitem uma decisão embasada por dados.

Quais são as vantagens de ter uma cultura baseada em dados?

Imaginar que o avanço tecnológico disponibilizaria tantas ferramentas inteligentes para oferecer de um modo fácil, respostas para as perguntas mais complexas, seria um exagero se mencionado há cerca de 20 anos.

O mundo evolui e com ele todas as formas de permitir que o usuário se transforme em protagonista dos seus próprios desejos. O marketing de antes realizava campanhas agressivas na tentativa de convencer o cliente a comprar de uma empresa.

Agora, as ações estão voltadas para uma experiência do consumidor enriquecida pela relevância dos conteúdos e a capacidade de despertar o interesse e o desejo de conhecer a marca mais de perto, acreditando ter encontrado a solução dos problemas.

E-book BI

As decisões tomadas são mais confiáveis

A confiança exerce total influência no poder de decisão de empreendedores, gestores e líderes. O medo de errar, muitas vezes produz um estado letárgico diante de situações que exigem uma ação — ser data-driven é reduzir ou eliminar o cenário de dúvidas e dar lugar a uma segurança bem calculada.

A empresa possui maior capacidade de predição

Quem não deseja prever o futuro quando o assunto é proteger o patrimônio ou estimular o aumento do faturamento? Os dados, quando bem apurados, são aliados na visualização das possibilidades de acontecimentos que possam impactar o negócio e permitir ações preventivas.

É possível segmentar estratégias por consumidor

Um mesmo negócio pode ter visitantes, consumidores, leads e clientes de diferentes perfis, que carecem de uma atenção também diferenciada. As estratégias de marketing, para terem resultados positivos, serão bem-sucedidas se aplicadas por segmentação do público-alvo.

Com isso, você mostrará que a sua empresa está preparada para atender públicos diversos, considerando as necessidades específicas e preferências. As taxas de conversão agradecem, assim como o fluxo de caixa.

Melhora a experiência de compra

Se você sabe do que o seu público-alvo gosta, as chances de surpreendê-lo, seja com conteúdos cada vez mais esclarecedores e relevantes ou com uma campanha de descontos arrasadores, o fato é que os dados ajudam a transformar a jornada de compras e a experiência do usuário.

Percebendo todo o interesse da empresa em oferecer algo diferente da concorrência, é provável que a cada visita ele se torne cada vez mais envolvido pela marca, aumentando naturalmente a fidelização e confiabilidade.

Os processos são otimizados

Os dados ajudam a aumentar a comunicação e promover a integração entre os times envolvidos em um mesmo processo, o que resulta em agilidade, precisão, praticidade e fundamentalmente, respeito, pelo cliente que espera a solução do seu problema.

Como criar a cultura data-driven dentro da sua empresa?

O planejamento de alteração na arquitetura cultural da empresa deve acontecer muito antes das implementações serem efetivadas. Basta seguir os passos a seguir e, certamente, sua empresa terá a

Engajar colaboradores sobre o uso de dados

Nenhuma mudança acontece da noite para o dia e pode levar meses até que todos os colaboradores estejam alinhados com a nova cultura. Implantar um novo conceito requer da gestão um cuidado de envolver a todos compartilhando informações.

Todos os times devem estar cientes da importância de ter os dados como principal fonte de consulta e compreender o quanto a empresa pode ser beneficiada com decisões seguras e processos padronizados.

Por isso, os treinamentos são essenciais para conscientização de um novo momento da empresa e reeducação quanto à forma de trabalho. Nessa fase é preciso tornar os colaboradores coautores dos processos, solicitando, inclusive, sugestões de procedimentos.

Utilizar ferramentas de automação

A tecnologia é primordial para levantar, coletar e ajudar a analisar esses dados. Soluções como Big Data, Business Intelligence são eficientes, mas precisam de um software para organizar as informações e gerar relatórios.

Garantir dados acessíveis a todos

Como dissemos, envolver os funcionários e motivá-lo a usar os dados é um caminho positivo e necessário, mas para que todos se comprometam a entrar na cultura data-driven, disponibilize os dados para todos e permita o acesso conforme a capacidade de entendimento de cada um.

Embora os dados sejam uma fonte inesgotável de informações, do outro lado devem estar profissionais de saibam utilizá-los adequadamente, para tomar decisões ou promover ações que de fato agilizem os processos e conduzam a empresa a um patamar diferenciado.

Definir responsáveis pela gestão dos dados

O ideal é que os dados estejam mesmo disponíveis para todos, mas toda a gestão deve estar em poucas mãos, para garantir um trabalho de coleta e seleção mais alinhado com o negócio. Utilizar dados irrelevantes será perda de tempo e eficiência, enquanto o mercado e a concorrência atuam pontualmente.

Defina uma equipe e designe um profissional para coordenar as atividades, os prazos, os métodos, considerando a necessidade da empresa e expectativa dos empreendedores. Certamente, será um trabalho produtivo e bem-sucedido.

Gerenciamento de dados de clientes

Para finalizar, jamais se esqueça de embora, na cultura data-driven, os dados são colocados no centro das decisões, todo o cuidado com as informações sobre os clientes devem ser preservadas para garantir a segurança e a confiabilidade.

A nova Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD que tem o objetivo de proteger e garantir a privacidade e liberdade dos usuários quanto aos dados pessoais e de cartão de crédito, por exemplo, entra em vigor oficialmente a partir de agosto de 2020 no Brasil.

Com a LGPD, todos os titulares dos dados terão o controle sobre suas informações e será obrigação das empresas informar a necessidade de uso desses dados e assegura que serão utilizados para fins específicos, cumprindo as obrigações e regras impostas pela nova lei.

Toda empresa que contar com um CRM ativo, vai precisar alinhar os processos de geração de dados para que o data-driven seja uma referência concreta e não apenas um filtro de números aleatórios.

São medidas que visam o aumento da confiabilidade entre usuários e empresas que atuam em segmentos de atividades online, possibilitando que os dados sejam utilizados para um fim específico sem que o titular se sinta inseguro com isso.

O data-driven chegou para ficar e com ele a promessa de agilidade e otimização de processos nas empresas que se preocupam com o futuro e desejam crescer e ocupar um lugar de destaque — um diferencial competitivo que vale o investimento e a dedicação de todo o time.

Se você gostou deste post e deseja ter acesso a conteúdos sobre estratégias de marketing e ações de melhorias de processos para garantir bons resultados à empresa, que tal seguir a gente nas redes sociais. Estamos no Facebook, LinkedIn e Instagram!

Recapitulando a ideia central deste conteúdo!

O que é data-driven?

O data-driven é o entendimento de processos orientados por dados, ou seja, as decisões que antes eram tomadas por feeling ou certezas subjetivas, agora consideram as informações produzidas pelos dados gerados em grande escala nas rotinas processuais do dia a dia.

Quais são as vantagens de ter uma cultura baseada em dados?

  • as decisões tomadas são mais confiáveis;
  • a empresa possui maior capacidade de predição;
  • é possível segmentar estratégias por consumidor;
  • melhora a experiência de compra;
  • os processos são otimizados.

Ouça nosso Podcast!

Posts Relacionados