Falamos tanto na importância das conversões no marketing digital que pode parecer uma questão de vida ou morte conquistar o cliente logo na primeira visita.

E esse é um dos maiores motivos para tantas estratégias falharem miseravelmente: a pressa por resultados rápidos.

A verdade é que apenas 2% das pessoas se tornam clientes na primeira vez que visitam o site de uma empresa.

Isso quer dizer que não se trata de acertar de primeira, mas de saber como fazer a pessoa voltar a ter contato com a sua marca, de novo e de novo, quantas vezes for preciso, até o negócio ser fechado.

Duas das principais ferramentas para realizar esse trabalho são remarketing e retargeting. Sim, se você achou que era tudo a mesma coisa, se enganou.

Veja agora as diferenças entre cada um, como usá-los e, se não conhece os dois, a hora é agora!

O que é remarketing?

Remarketing também se refere a tentar reengajar pessoas interessadas na sua marca, mas principalmente com o uso de email, e não com anúncios.

Vamos usar um exemplo parecido ao de quando explicamos o que é retargeting: a pessoa entra no seu site, analisa um produto e chega até a colocá-lo no carrinho, mas o abandona.

Mais tarde, ele recebe um email relembrando que a compra não foi finalizada, e um convite para fazer isso sem demora. Esse é um caso clássico de remarketing.

Obviamente, uma diferença entre remarketing e retargeting é que o primeiro exige que você já tenha o email dos usuários, ou seja, eles já têm uma relação com a sua empresa, não são estranhos.

Benefícios do remarketing

Eu sei que ainda resta uma pergunta na sua mente, uma muito importante: “o que o remarketing traz de bom para a minha empresa?”. Felizmente, a resposta é animadora, até porque, o remarketing pode gerar um aumento de até 11,3 vezes nas visitas da página da sua empresa, além de gerar 3x mais vendas (Ecommerce Trends 2017)

Veja 3 benefícios de usar o remarketing como parte da sua estratégia de marketing digital:

1. Engajar novamente os clientes

As técnicas de remarketing são muito importantes para reengajar clientes para que eles mantenham-se ativos.

E não pense que o remarketing se aplica só ao e-commerce, mas a todo tipo de negócio. Afinal, você não quer vender uma vez só para cada pessoa, certo?

A fidelização de clientes é uma das bases para o sucesso de qualquer empresa, e o remarketing é uma ferramenta extraordinária para alcançá-la.

2. Mudar a percepção de marca

A percepção da marca depende da importância que ela dá para quem já comprou algum de seus produtos.

Uma empresa que pratica o remarketing mostra que deseja manter um relacionamento duradouro com os clientes e, acima de tudo, quer fazer isso gerando valor para eles, não apenas vendendo de qualquer forma.

3. Alto índice de conversão

O email marketing é uma das ferramentas que apresentam maior índice de conversão no marketing digital. Logo, o remarketing também tem um retorno positivo por usar esse canal.

É fácil enviar emails altamente segmentados, que conversem diretamente com as necessidades de cada um dos seus clientes, não importa quanto elas sejam diferentes.

Não é a toa que 96,7% das empresas que usam email marketing acreditam na sua eficácia.

3 formas eficientes de aplicar o remarketing

Se o remarketing tem por objetivo reengajar a persona, quais são algumas das principais oportunidades de fazer isso?

Lembre- se que o email é uma ferramenta muito eficiente, mas só quando usada de forma a gerar valor para quem o recebe.

Então, nada de mandar mensagens com tanta frequência a ponto de inundar a caixa de entrada da sua persona e criar um problema para ela.

Antes, vale mais a pena escolher algumas situações específicas, como as escolhidas abaixo:

1. Liquidações

Liquidações são ótimas oportunidades de engajar os clientes existentes e convencê-los a comprar mais uma vez.

Sempre que decidir programar uma liquidação, aproveite para planejar também uma campanha específica de remarketing que ajude a aumentar as conversões.

2. Abandono de carrinho

Abandono de carrinho, como já dito, é um dos principais casos em que se usa o remarketing como tática de venda. Afinal, essa é uma prática muito comum.

Segundo a E-commerce Trends 2017, o impressionante número de 97,9% dos consumidores já afirmou ter abandonado o carrinho de compras.

Deixar de relembrar os possíveis clientes de voltar e finalizar a operação é o mesmo que jogar (muito!) dinheiro fora.

3. Tratamento VIP

Quem não gosta de receber tratamento VIP, não é mesmo? Não é preciso esperar uma ocasião especial ou um problema em potencial. É sempre bom relembrar os clientes o quanto eles são especiais.

Isso pode ser feito de várias formas, mas não se esqueça de gerar mais valor do que pede.

Oferecer benefícios exclusivos, como frete grátis, cupons de desconto e acesso antecipado a lançamentos são boas maneiras de oferecer esse tipo de tratamento.

O que é retargeting?

O retargeting é usado principalmente para mostrar anúncios segmentados de acordo com as interações anteriores de uma pessoa com a sua marca, seja no seu site ou em outros canais.

Por exemplo, um possível cliente acessa seu site, passa alguns minutos analisando um produto, mas não fecha a compra.

Com base nos dados de navegação coletados, é possível mostrar um anúncio desse exato produto em outros sites e redes sociais que ele visitar, através de serviços como Google Adwords ou Facebook Ads.

Isso permite mostrar anúncios altamente segmentados, para pessoas que já mostraram interesse no que você vende, e criar oportunidades para que elas reconsiderem a compra.

Benefícios do retargeting

Novamente, a pergunta “o que essa estratégia traz de bom para a minha empresa?” pode ser respondida com tranquilidade.

Veja 3 benefícios do retargeting que mostram porque você deve usá-lo o quanto antes na sua empresa:

1. Aumento das vendas

O princípio do retargeting é simples: abordar pessoas que já demonstraram intenção real de compra, e convencê-las a não deixar a decisão para depois.

Com anúncios bem elaborados, é possível aumentar as vendas por abocanhar uma boa parte dessas pessoas, que estão esperando para serem convencidas.

2. Consciência de marca mais forte

Quanto maior o contato de uma pessoa com a sua marca, mais forte será a impressão deixada na mente dela.

Além disso, o retargeting tem aquele ar de “essa marca está em todo lugar” que pode impactar o modo como os clientes enxergam a sua empresa.

Trabalhar o retargeting é um bom modo de aumentar o Brand Awareness do seu negócio em pouco tempo.

3. Redução do custo de aquisição

Por mirar apenas em quem já está pensando na compra, é natural que o retargeting acabe representando uma diminuição no seu custo de aquisição por cliente.

Levando em conta o funil de vendas, por exemplo, você tem a oportunidade de inserir alguém diretamente no fundo e fechar a venda sem demora.

Conheça 7 tipos eficientes de retargeting

Podemos dividir o retargeting em dois grupos principais: eventos no site e fora dele (conhecidos como eventos “On e Off-site”). Qual a diferença entre cada um?

Ao abordar as pessoas que interagiram com o seu site, o retargeting tem um papel mais parecido com o do remarketing, de reengajar o público.

Além disso, também pode ser usado para fazer Upsell, ou seja, vender produtos mais caros ou planos maiores de um serviço.

Por outro lado, quando aborda pessoas que interagiram com a marca em outros canais, o retargeting passa a servir mais como uma ferramenta de prospecção.

Conheça os 7 tipos de retargeting que envolvem esses dois grupos:

  1. Buscas: segmenta os usuários com base nas buscas que fizeram online, quer tenha sido no seu site, quer em mecanismos de pesquisa, como o Google.
  2. Site: foco nos usuários que viram determinado conteúdo ou completaram uma ação específica no seu site.
  3. SEO/SEM: mira nos usuários que chegaram ao seu site por meio de buscas online (SEO) ou anúncios patrocinados (SEM).
  4. Email: usuários que interagem com seus programas de email, como alguém que assina e abre a sua newsletter.
  5. Contextual: se baseia no tipo de conteúdo que a pessoa consome. Por exemplo, se ela acessa um site parceiro com um tópico similar ao seu.
  6. Engajamento: foco em usuários que interagiram com conteúdo específico fora do seu site, como um vídeo, página do Facebook, etc.
  7. Social: aborda pessoas que consomem o mesmo tipo de conteúdo que os seus clientes atuais.

Remarketing e retargeting: quando usar cada um?

Remarketing e retargeting não são estratégias concorrentes. Pelo contrário, é perfeitamente possível usar as duas de forma equilibrada e bem-sucedida.

Enquanto o retargeting é focado na exibição de anúncios segmentados de acordo com uma série de fatores, o remarketing tem o email como canal de contato principal.

Por isso, vale a pena usar o retargeting para atrair novos clientes que já tiveram algum contato com a sua marca, mas nunca compraram, e aplicar o remarketing para fidelizar quem já comprou de você.

Remarketing e retargeting não são a mesma coisa, mas os dois têm alguns objetivos em comum: engajar melhor as pessoas com a sua marca e aumentar suas conversões.

Por isso, não precisa ter dúvida de qual dos dois é melhor ou qual vale a pena usar. Ambos merecem fazer parte do seu planejamento.

Já que o assunto é a conversão, você já ouviu falar no modelo de atribuição Position Based? Descubra agora o momento exato em que suas conversões estão acontecendo!