Os 7 principais canais do marketing digital e a importância de cada um deles

Fabio Duran

Cofundador e CEO da Hubify. GDista, apaixonado por economia comportamental e vendas. Advogado formado pelo Mackenzie e pós-graduado em Administração de Empresas e Gestão de Projetos pela Universidade da Califórnia.

13 minutos de leitura

Os canais do marketing digital são poderosos recursos de atração, conversão e vendas, que devem ser aplicados conforme as estratégias do negócio para alcançar melhores resultados.

Para se ter uma ideia, segundo o e-marketer, é previsto que ocorra um crescimento de 61,9% no investimento de publicidade digital até 2024. Tanto sucesso é compreensível, afinal as estratégias de marketing digital têm trazido grandes resultados na divulgação de produtos e serviços das empresas.

E isso se deve a vários fatores: alto poder de segmentação do público-alvo, possibilidade de mensuração de resultados das ações, além do baixo custo das campanhas se comparadas com mídias tradicionais, como a televisão e o rádio.

Mas, existem várias ferramentas de marketing digital e imaginamos que você deve estar curioso para conhecer melhor cada uma delas. Portanto, aqui mostraremos o que são canais do marketing digital, quais são os principais, a importância de cada um deles e como escolher os melhores. Vamos lá?

O que você verá neste conteúdo?

  • O que são canais de Marketing Digital;
  • Os 7 principais canais do Marketing Digital;
  • Redes sociais;
  • E-mail marketing;
  • Tráfego orgânico, direto e de referências;
  • Blog;
  • Mídia paga
  • 6 dicas para escolher os melhores canais.

O que são canais de Marketing Digital

Podemos definir os canais de marketing digital como estratégias escolhidas para divulgar seu produto/serviço e atingir o público-alvo. Assim, todo meio de interação entre o usuário e a marca em um ambiente online pode ser tido como tal.

Com ajuda da internet, surgiram diversos canais de divulgação, porém mesmo que eles direcionem as ações para o objetivo, é preciso conhecer suas particularidades para começar a buscar bons resultados.

Logo, para considerar as características de cada um deles, torna-se fundamental encontrar métricas, de modo a compará-los e maximizar o retorno obtido. As ferramentas de análise como o Google Analytics, por exemplo, mensuram a performance dos canais e poder de conversão.

Confira os 7 principais canais do marketing digital que elencamos a seguir, entenda como interagir com cada um e, a partir disso, escolha o mais adequado para o seu negócio.

Os 7 principais canais do Marketing Digital

1. Redes sociais

São milhares de pessoas conectadas diariamente na internet, e com tanta popularidade, as empresas começaram a utilizar as redes sociais para divulgação de suas marcas. Geralmente, isso é feito por meio de publicações com conteúdos ricos e valiosos para seu público, em formatos como:

  • fotos;
  • textos;
  • vídeos.

Além das publicações “normais” ou “orgânicas”, existe a possibilidade de anunciar online. Assim, é possível atingir o público certo com a segmentação de características como:

  • sexo;
  • idade;
  • localização;
  • interesses pessoais dos usuários.

Quando falamos em anúncios pagos, também existem diversos formatos que devem ser escolhidos de acordo com seu objetivo, que pode ser construir uma audiência para a página, melhorar o engajamento ou direcionar os acessos ao seu site/blog.

Mesmo com tantas vantagens, as redes sociais podem ser uma armadilha, justamente pelo volume de informações disponíveis. Isso acontece por existir um risco iminente de perda de concentração específica e acesso a diversas marcas ao mesmo tempo.

Além disso, outro erro que muitas empresas cometem é não adequar o tom da comunicação e imagem visual ao seu público-alvo. Aqui, quando o consumidor procura uma marca, ele deseja saber tudo sobre ela e o formato de design engessado pode não gerar o engajamento esperado. Vale ressaltar que a variedade e relevância dos conteúdos também precisam ser analisados.

Por isso, é importante fazer um estudo antes para identificar em qual rede social a sua persona está, e de que forma promover o engajamento com sua marca. Confira as mais usadas!

Facebook

Hoje, o Facebook é a maior rede social do mundo, com cerca de 3 bilhões de usuários ativos por mês, e o Brasil sendo o quarto país com maior público, segundo a Acodez.

Essa rede social reúne diversas funções, ao mesmo tempo que é possível relacionar-se com amigos, conhecer pessoas, informar-se e compartilhar publicações, também pode-se gerar negócio.

Confira alguns posts para saber mais sobre como usar o Facebook na estratégia de marketing digital da sua empresa:

Instagram

Outra rede que vem se destacando é o Instagram, ele serve de palco para diversas empresas que desejam engajar suas marcas, mesmo com uma audiência menor que o Facebook.

A versão comercial do Instagram, o Instagram for Business abriu espaço para as empresas divulgarem seus produtos e fortalecerem a imagem por meio das campanhas publicitárias. Segundo dados divulgados pelo aplicativo, 60% das pessoas usam a plataforma para encontrar novos produtos, e 90% seguem pelo menos uma marca. 

O Instagram está em constantes inovações e, por esse motivo, representa uma grande oportunidade tanto para empresas, quanto aos usuários. Por ser a maior rede com foco em conteúdo visual, ela viabiliza a humanização da marca – expondo os bastidores, por exemplo –, e a atração de potenciais clientes, com postagens no feed e Stories

Se você tem interesse em saber mais sobre como utilizar o Instagram nas vendas do seu negócio, confira o vídeo a seguir:

Twitter

Uma das redes sociais queridinhas dos brasileiros, o Twitter foi lançado em 2006 e atua como um microblog e canal de notícia. Seu maior diferencial é a agilidade na informação, as principais tendências começam a ser divulgadas nessa rede social antes das outras.

As funcionalidades que ele oferece incluem as notícias do momento, os trending topics sendo os assuntos do momento, as funções retweet e favorite que compartilham uma informação, e, recentemente, um novo recurso chamado Fleets que se assemelha aos stories do Instagram.

Assim, podemos notar que o Twitter pode fazer a diferença em sua estratégia, visto que além de oferecer o twitter ads para explorar sua campanha de anúncios, também oferece a possibilidade de estar próximo ao público, com uma menção direta e simples, algo que ajuda na credibilidade das empresas. Afinal, por ser um local no qual as discussões são constantes, é comum surgirem críticas ou elogios sobre as marcas, entre os assuntos mais comentados do momento.

Segundo dados oficiais da rede, no terceiro trimestre de 2020, a receita de marketing totalizou 808 milhões de dólares, um aumento de 15% em relação ao período anterior. Além disso, o total de engajamento de anúncios aumentou em 27%!

LinkedIn

Outra rede social também muito importante para os negócios é o LinkedIn, como maior rede do mundo voltada aos profissionais, uma vez que é utilizada por inúmeras empresas como plataforma de recrutamento de talentos, meio de publicação de artigos e outras práticas com relação ao mundo corporativo.

Entre os benefícios de utilizar o LinkedIn, está a aquisição de leads qualificados para o segmento B2B. Por ser uma rede social profissional, ela concentra os tomadores de decisões de dentro das organizações.

Além disso, é um excelente meio para dar visibilidade à missão, produtos, serviços e eventos da empresa, também oportunizando a geração de maior tráfego para seu site ou blog, devido o engajamento da comunidade.

Agora, que tal conferir algumas dicas para bombar o seu Linkedin? E só clicar no link abaixo:

2. E-mail marketing

Em um passado não muito distante, o e-mail marketing era muito atrelado ao SPAM e, por isso, as pessoas não davam a devida importância à ferramenta. Com a forte tendência do marketing digital, isso mudou.

Hoje, as práticas hoje têm obtido resultados incríveis, visto que as estratégias de automação por e-mail marketing estão entre as três principais táticas usadas pelos profissionais de marketing para melhorar o desempenho, segundo o Hubspot.

Esse é um canal rápido e direto com a possibilidade de enviar a mesma mensagem para milhares de pessoas, com custo baixo. Sem contar que, com a ajuda de alguns softwares, você pode automatizar seus fluxos de nutrição e melhorar os resultados de maneira escalável.

O e-mail marketing pode ser usado para diversos fins, como no envio de newsletter, conteúdos exclusivos, promoções especiais, relacionamento com os clientes e muito mais.

Além disso, ele tem papel fundamental no engajamento, nutrição e educação dos leads visando a conversão de vendas. Os conteúdos são produzidos valorizando as especificidades da marca e evidenciado seus diferenciais.

A maior desvantagem desse canal continua sendo o spam, pois muitas pessoas ainda, sem verificar o conteúdo da mensagem recebida, podem configurar como desconhecida e perderem uma ótima oportunidade de conhecer um novo produto ou empresa.

Entretanto, ainda existem dúvidas sobre a relevância de utilizar essa estratégia nos negócios. Se você se identificou, faço um convite para assistir o nosso que vai desmistificar essa ideia, de uma vez por todas. Confira!

3. Tráfego orgânico

O consumo de internet cresceu muito nos últimos tempos, então é de se esperar que também ocorresse o aumento de vendas online. Assim, 59% das buscas online são com foco em compras, de acordo com a TIC Domicílios 2019.

Por isso, estar bem colocado nos resultados orgânicos (resultados naturais, não pagos) dos mecanismos de busca como o Google, tornou-se essencial para qualquer empresa.

Para isso, as técnicas de SEO, também conhecidas como otimização para motores de busca, são muito usadas com o objetivo de melhorar o posicionamento dos sites nos resultados das pesquisas.

Essas técnicas levam em consideração o estudo das palavras-chave que são utilizadas ao longo do texto de forma estratégica. Os algoritmos do Google estão sempre mudando!

Trata-se de um trabalho constante, mas que vale muito a pena, pois o primeiro resultado nas páginas de pesquisa levam cerca de 34% dos cliques dos usuários.

4. Tráfego direto

O tráfego direto consiste no usuário que digitou a URL do seu site diretamente no navegador. Geralmente, essas pessoas já conhecem sua marca, foram indicadas ou estão retornando à página.

E, isso diz muito sobre a qualidade do seu site. Por exemplo, se um usuário está acessando a sua página mais uma vez é sinal que, de alguma forma, ele gostou do que viu e suas informações foram úteis para ele.

Para obter bons resultados no tráfego direto é preciso manter o conteúdo atualizado com novidades constantes, além de uma boa manutenção do site, analisando sua usabilidade como o carregamento das páginas, design e experiência do usuário.

Aqui, vale a pena instalar um código do Google Analytics para ficar de olho nas mudanças e avanços em relação às métricas almejadas. A taxa de rejeição e tempo de permanência são dois dados muito relevantes para a análise do rendimento do seu site ou blog.

Eles demonstram se os usuários estão interagindo com o seu conteúdo, e se as informações contidas estão atingindo as expectativas, oferecendo uma boa experiência.

5. Tráfego de referências

O Google pode trazer tráfego para o seu site, certo? Entretanto, outros também podem fazer o mesmo, para isso sua página precisa ser referenciada por ele. Essa ação se refere ao tráfego de referência ou backlinks.

Essa referência pode ser de parcerias estabelecidas com outras empresas, por guests posts, por exemplo, em que você escreve o conteúdo para ser publicado no blog de outra pessoa.

Esses links contidos em outros sites podem atrair mais consumidores, além de ser um dos critérios de SEO considerados pelas ferramentas de busca. Se o seu conteúdo apresenta vários links de qualidade apontando para ele, o Google entende que ele é relevante.

Mas não se engane! Nem todo backlink é benéfico para o seu site. A autoridade do domínio (domain authority) e da página (page authority) influenciam diretamente na qualidade do link referido.

Assim como a naturalidade do contexto, a procedência do site, entre outras questões que demonstram ser uma boa prática. Do contrário, a estratégia pode ser entendida com black hat e o seu site pode ser penalizado.

6. Blog

Os blogs, por muito tempo, foram utilizados como meros diários virtuais. Atualmente, as empresas têm utilizado esse recurso como canal de aproximação de clientes.

A ideia é publicar conteúdo rico e relevante para o público, para melhorar o ranqueamento das suas páginas nos buscadores, engajar mais o seu público com a marca, educar o mercado, gerar autoridade, atrair novos clientes e sanar as principais dúvidas, sem a necessidade da utilização do SAC.

As publicações devem ser feitas com o intuito de informar, falando menos da empresa e mais sobre o mercado no qual o seu negócio está inserido.

Todo o conteúdo deve ser criado com foco na dor da sua persona, e em como a empresa pode solucionar essa necessidade, sem esquecer de respeitar as etapas da jornada de compra e conhecimento.

Vale a pena ressaltar outro benefício que o blog oferece, isto é, você pode trabalhar com uma diversidade de formatos de conteúdo, adequando-se ao cenário atual, com a possibilidade de continuar inovando na sua estratégia.

Apesar do blog ser uma forma excelente de gerar tráfego, ter um custo baixo ou até mesmo gratuito, existe a desvantagem de ser uma estratégia de médio e longo prazo, visto que demoram, em média, 6 meses para observar os resultados.

A solução é utilizar o blog paralelo aos outros canais com igual ou maior alcance, disponibilizando mais opções para o usuário se conectar à marca e focando em um resultado de curto prazo.

E para enfatizar a importância dos blogs, trago um vídeo para você saber mais do assunto. Aproveite!

7. Mídia paga

Já falamos um pouco sobre a mídia paga das redes sociais. Além desses tipos de anúncios, existem outras opções como o Google Ads.

Funciona assim — o usuário digita uma palavra-chave e seu anúncio aparece no topo da página da busca. Desse modo, é possível alcançar mais clientes que estão buscando exatamente o que seu produto oferece.

No Google Ads, você também pode anunciar com a rede de display, ou seja, anúncios que aparecem dentro de outros sites, como espaços comprados nas páginas.

Para isso, é importante escolher sites em que o público tenha interesses iguais ou semelhantes com os produtos e serviços fornecidos pela sua marca. Vamos entender melhor, a seguir!

Social Advertising

O ADS pode ser inserido em todas as rede sociais — Twitter, Facebook, LinkedIn — e vale para segmentar as campanhas e veicular as pequenas mensagens em forma de anúncios.

Ao aproveitar as características sociais da web é possível alcançar uma audiência segmentada, criando anúncios diferenciados para cada tipo de rede social. No Facebook por exemplo, a empresa deve ter uma página que permita o acesso ao gerenciador de anúncios.

É possível analisar todos os detalhes e resultados depois que o anúncio for publicado, inclusive, com alterações em uma campanha, caso perceba que não está sendo tão eficiente quanto o desejado.

Já nos anúncios do LinkedIn, a proposta é de um diálogo mais próximo com quem toma a decisão para atrair potenciais clientes e parceiros. Além disso, a rede social começou a diversificar divulgações, incluindo vídeos e conteúdos mais abrangentes em suas ações, para tornar a plataforma mais dinâmica.

Em contrapartida, o Twitter é uma rede mais instantânea, que funciona como segunda tela para quem gosta de assistir TV e segmenta os anúncios com base nesse público. Nesse caso, podemos citar o Twitter Ads, que permite a análise detalhada dos resultados e edição, para alcançar uma maior audiência.

Os Social Ads mantém um diálogo direto e personalizado com o público-alvo, uma vez que o próprio usuário fornece elementos e dados interessantes para serem usados na formatação de um ou mais anúncios.

As informações de comportamento, preferências e interesses servem de base para definir não só o tipo de anúncio, como a periodicidade de veiculação. Se antes a segmentação era baseada em dispositivos, agora ela considera o que as pessoas pensam, independentemente, do tipo de equipamento que ela utiliza.

Rede Display Google

O objetivo central da Rede Display é encontrar o público-alvo correto nos sites parceiros do Google. De que forma? Ao segmentar o anúncio, existe uma grande chance de encontrar os potenciais clientes e atrair para a sua marca.

Segundo a Google, a Rede de display conta com mais de dois milhões de sites e chega a alcançar 90% dos usuários da internet. Dessa forma, quanto mais exibições forem realizadas em conjuntos de site, maior o alcance em massa.

Isso faz com que a mensagem se prolifere, atraindo novos potenciais clientes e facilitando as estratégias de remarketing, ou seja, o disparo de anúncios com ofertas ou interações pontuais, para aquele público que demonstrou interesse na primeira visita, mas não realizou a compra.

Na rede de display é possível utilizar os recursos gráficos para atrair a atenção do público-alvo. A exibição dos anúncios em banners ou vídeos pode ser um diferencial, dependendo do tipo de produto ou serviço que a marca comercializa.

Categorias de anúncios na rede de display

Elas ajudam a atrair maior visibilidade e entrar em sintonia com as estratégias de captação, geração, conversão e vendas. Acompanhe!

  • texto: os anúncios de texto são pequenas caixas onde serão encontrados um título e duas linhas de descrição do anúncio;
  • imagem: com maior capacidade de engajamento e conversão as imagens são comumente utilizadas em banners, com formatos e designs variados;
  • vídeo: enquanto o usuário assiste a vídeos em plataformas específicas, como o YouTube, por exemplo, o banner será veiculado na lateral ou no rodapé sem comprometer a imagem.
  • mídia rica: a inovação chegou nesse tipo de anúncio e além de contar com animações, o usuário terá a possibilidade de selecionar apenas o que deseja visualizar.

Os sites relacionados também são uma boa aposta, por meio deles e da similaridade dos conteúdos, o público que está em busca de solução para sanar sua dor pode entender melhor sobre o negócio da empresa e aumentar a chance de conversão.

A Rede de display pode interagir mais fácil com o usuário e futuro cliente ao utilizar campanhas inteligentes para maior capacidade de conversão. São elas:

  • lances automático: pretendem gerar cada vez mais valor e definir seus anúncios conforme a probabilidade real de conversão;
  • segmentação automática: a segmentação é otimizada, com maior frequência de exibição dos anúncios;
  • criação automática de anúncios: em que os anúncios passam a ser gerados automaticamente de forma responsiva a partir dos elementos fornecidos — tipos, logotipos e imagens.

 6 dicas para escolher os canais que melhor atendem às necessidades da sua empresa

Agora que você já sabe quais são os principais canais para divulgar sua empresa, chegou a hora de definir os mais alinhados a sua estratégia digital.

Antes de tudo, sua empresa precisará ter um site, depois disso, será necessário levar em consideração alguns pontos importantes para a seleção dos melhores canais possíveis. Confira algumas dicas que preparamos!

1. Conheça sua audiência

Definir um público-alvo é uma das principais etapas para o planejamento de qualquer ação no meio digital. Portanto, quanto mais você entende a sua audiência, maiores serão as chances de acertar na escolha dos canais.

Dessa forma, o público-alvo representa um grupo de pessoas ou organizações com perfis similares de consumo, sintonizados com as ofertas da empresa. Mas, você sabe como definir o público-alvo da sua marca? A seguir, confira quais características que o compõem: 

  • idade;
  • gênero;
  • profissão;
  • estado civil;
  • nível de educação;
  • renda/Classe social;
  • Outros aspectos sociais que julgar importante. 

Somente a definição do público-alvo não será o suficiente para criar uma maior conexão entre a marca e o potencial cliente, portanto a elaboração de uma buyer persona – representação semi-fictícia de clientes reais – vai permitir uma melhor compreensão do cliente ideal da sua empresa e gerar mais resultados. Para isso, siga os seguintes passos:

  • dê um nome para a persona;
  • defina sua idade;
  • descreva onde ela mora, seu nível educacional, o cargo que trabalha e qual é sua renda;
  • procure saber quais são suas dores, desafios e objetivos.

Todo esse processo ajudará a entender em quais canais digitais sua audiência está presente, quais são os assuntos de seu interesse e qual linguagem você usará para comunicar-se com ela.

2. Avalie sua concorrência

Quando um cliente pensa em adquirir um produto ou serviço que sua empresa oferta, ele pensa na sua empresa ou em um concorrente seu?

Se a resposta foi o seu concorrente, esse é momento de analisar os competidores e repensar a sua atuação no ambiente online. Mas se a resposta foi que ele pensa na sua empresa, não fique aliviado! Ainda assim, tal estudo é relevante para se manter no topo.

Quem são seus concorrentes diretos e indiretos? Em quais canais eles estão? Como é o engajamento do seu público? Quais são seus pontos fortes e fracos?

Essas e outras perguntas servirão como base da avaliação e, só assim, você entenderá o que é preciso para obter um lugar de destaque diante da pluralidade de ofertas.

3. Conheça seu produto ou serviço

Quando você não conhece todas as características do seu produto/serviço, corre-se o risco de existirem erros na escolha dos canais de divulgação ideais.

Vejamos um exemplo: uma loja que vende maquiagens e não usa o Instagram, certamente perde uma enorme oportunidade de alavancar suas vendas, visto que os produtos pedem certo apelo visual, e com a rede social é possível interagir com imagens e vídeos tutoriais. 

Conhecer o que sua empresa oferta é primordial para garantir que os esforços em vendas sejam direcionados às pessoas certas e nos canais adequados.

4. Considere seus objetivos e orçamento

Depois que você seguir as três dicas anteriores, o próximo passo será definir quais serão seus objetivos com as ações.

Deseja gerar leads? Aumentar o reconhecimento de marca? Alavancar as vendas para x% a mais? Cada um desses objetivos exige uma estratégia específica. 

E, se você busca elevar o alcance e a visibilidade da marca, vai ser preciso apostar nos anúncios pagos. Aqui, o tamanho do seu orçamento vai indicar o quanto sua empresa pode ou não investir, assim como dará um norte para a construção da estratégia.

5. Busque a integração dos canais

A sinergia entre os canais do marketing digital favorece a eficiência, impulsiona os resultados e cria uma melhor experiência ao seu público.

Diversificar os canais é uma excelente estratégia para a atração de mais pessoas. Sua empresa não precisa trabalhar com todos os canais, mas também não basta escolher apenas um.

Você pode utilizar diversos pontos de interação para direcionar o potencial cliente até o momento da decisão de compra. Um exemplo disso é a estratégia de Inbound Marketing, que trabalha toda a jornada do cliente.

6. Monitore os resultados e as métricas

Por último, mas não menos importante, avalie os resultados! Como já dizia William Edwards Deming, estatístico e professor norte-americano “O que não pode ser medido, não pode ser gerenciado”.

De fato, se você não sabe como está sendo o desempenho das ações, é impossível entender se os canais escolhidos e as estratégias adotadas estão funcionando.

Com a análise das métricas você será capaz de obter dados que darão melhores direcionamentos ao seu investimento financeiro, à finalidade de cada canal e promoverá mudanças importantes.

Viu como existem diversas alternativas para divulgar seus produtos e serviços? O ideal é definir seus objetivos e analisar o público-alvo, para determinar quais os melhores canais do marketing digital servirão às estratégias do seu negócio!

Gostou de saber um pouco mais sobre os principais canais do marketing digital? Se quiser receber mais conteúdos como esse, basta cadastrar-se na nossa newsletter e receber os materiais, em primeira mão!

Posts Relacionados